• 01.jpg
  • 02.jpg
  • 03.jpg
  • 04.jpg
  • 05.jpg
  • 06.jpg
  • 07.jpg
  • 08.jpg
  • 09.jpg

Home Theaters                Audio High-End 2Channel               Automação Residencial

Classe dos Amplificadores

Os amplificadores são geralmente divididos em classes que levam em consideração as características de operação do estágio de saída dos amplificadores, que inclui a eficiência tanto em potência quanto em qualidade.

Sucintamente, temos as seguintes classes de amplificadores de áudio:

 

  Classe A:

O amplificador que possui melhor qualidade de som sem distorção, mas com um consumo de potência muito grande, possui eficiência de +/- 20% (teórico máximo de 25%), isto é, se ele fornecesse 10W de som, consumiria 50W de energia, essa diferença de 40W seria transformada em calor. Geralmente é um amplificador com potência de saída abaixo dos 100W, gasta muita energia e seu preço é muito alto;

  Classe B:

Um amplificador com esse tipo de etapa de saída não consome muita energia e possui rendimento teórico máximo de 78,5% mais sua amplificação gera grande distorção audível para pequenos sinais (distorção de crossover), mas para sinais de grande amplitude essa distorção é muito pequena quando comparada com a amplitude do sinal tornando a distorção menos perceptível. Não existem amplificadores desse tipo no mercado;

  Classe AB:

Como o nome indica, é um circuito de amplificação que une características de um classe A e um classe B. Consumindo energia, pequeno quando comparado com um Classe A, tendo distorção de um Classe B somente para grandes potências e em pequenas potências (pequenos sinais) o funcionamento é como um classe A. Possui rendimento em torno de 50% , isto é, se ele fornece 100W de som consome 200W de energia. A maioria dos amplificadores comercializados são de classe AB, pois possui boa qualidade e bom rendimento utilizando componentes baratos, portanto, ótima relação custo benefício;

  Classe C:

Gera distorção pior que um classe B e geralmente é utilizado em radio-frequência (celulares, transmissores de rádio e TV );

  Classe D:

As vezes confundido com "Digital". Mas um classe D, não leva o D por ser digital, mas pela sequência de classificação dos amplificadores. Seu funcionamento se deve a um circuito de chaveamento digital com frequência de 100Hz a 200KHz que transforma o sinal de entrada em uma onda quadrada de largura variável, possui rendimento perto de 90% (fornecendo 100W de som, estará consumindo 111W de energia) e está limitado a trabalhar abaixo de 1Khz, porque acima disso, existe a geração de distorção e pode ocorrer do amplificador interferir em rádios AM. Com isso seu uso fica restrito a alimentar subwoofers com potências acima de 1000W RMS;

  Classe G:

Trabalha como um classe A em pequenas potências e como um classe AB em grandes potências possuindo rendimento em torno de 70%;

  Classe H:

É um classe AB que trabalha com dois níveis de tensão de alimentação. Um nível mais baixo para baixa potência e outro nível de tensão de alimentação maior para potências maiores, com isso os componentes dissipam menos energia conseguindo um rendimento maior. A desvantagem é a distorção causada pela comutação das fontes para um determinado nível de sinal. Possui rendimento em torno de 70%;

  Classe I:

É um classe A, mas a alimentação desse estágio é feita por um controlador do tipo classe D (modulação por pulso), com isso o amplificador classe A recebe somente energia o suficiente para alimentar a si próprio e a carga (alto-falante). Assim, variando sua fonte de alimentação um classe I possui rendimento em torno de 75%;

  Classe T:

Seu funcionamento é parecido com um classe D, mas este, possui bem menos distorção e pode trabalhar em toda a faixa audível (20Hz a 20KHz). O sinal de áudio entra no amplificador, é transformado digitalmente através de algoritmos em um sinal digital de frequência variável até 1.5MHz depois é amplificado. Seu rendimento está em torno de 90% e possui menos distorção que um classe D.

Aprofundamento sobre Classe A

Considerado o amplificador com as melhores características de linearidade, pois é capaz de fornecer em sua saída um sinal sem distorções. Possui uma corrente de polarização dos transistores que faz com que conduzam todo tempo para qualquer sinal de entrada.
O circuito típico de um classe A pode ser observado como por exemplo onde o transistor Q2 "gera" a corrente de polarização constante em Q1.

O rendimento máximo teórico é de 25%, isto é, se o amplificador fornece 100W de som, consome 300W em calor e consome 400W da fonte de tensão, na prática o rendimento está entre 10 e 20%.

Amplificadores valvulados que são comercializados hoje em dia, normalmente possuem configuração classe A.
Um exemplo de fabricante de amplificadores classe A é a renomadíssima McIntosh.

Aprofundamento sobre Classe B

O circuito básico de um classe B é composto por 2 transistores complementares que conduzem em cada ciclo do sinal de entrada, Qn conduz para sinais positivos e Qp conduz para sinais negativos, na ausência de sinal de entrada,onde nenhum dos transistores conduzem.
O que ocorre nessa configuração é a perda da linearidade, pois é necessário o mínimo de 0.5 Volts para o transistor conduzir,essa distorção é chamada de distorção de crossover.
Seu rendimento teórico máximo é de 50%.

Aprofundamento sobre Classe AB

O circuito de um classe AB é estruturalmente bem parecido com um classe B, mas possui uma pequena corrente de polarização que flui constantemente, independente do sinal de entrada, aquela distorção de crossover do classe B pode ser quase que eliminado.
A característica do sinal de transferência é quase linear.

Podemos pensar que um classe AB funciona como classe A quando operando com pequenos sinais e como classe B quando operando com sinais de grande amplitude.
Cerca de 85% do mercado mundial de amplificadores são de classe AB.
Seu rendimento prático está em torno de 50%.

Aprofundamento sobre Classe D

Sua principal característica é o funcionamento que tem por base a modulação por largura de pulso (PWM - pulse width modulation) fazendo com que os transistores funcionem ligados ou desligados e nunca "no meio", isto é, conduzindo alguma parcela de corrente, por isso são chamados também por amplificadores de "chaveamento", com isso a eficiência em potência de um classe D está em torno de 80%, apesar disso a eficiência em qualidade não é muito boa, gerando distorção que é maior que os classe AB.
Para entender de onde vem a distorção, seguimos o sinal de entrada que após ser modulado em PWM, passa por um filtro passa-baixa afim de "retirar" o sinal modulador, este processo cria mudanças de fase e distorção principalmente em frequências maiores que 1kHz limitando o uso do amplificador classe D para baixas frequências. Por isso que a maioria dos amplificadores classe D do mercado são voltados para utilização com subwoofers.

Aprofundamento sobre Classe T

Seu funcionamento é parecido com um classe D, mas ao invés de modulação PWM (modulação por largura de pulso) um classe T usa algoritmos e técnicas de Digital Power Processing (TM) que levam em consideração as características dos transistores para evitar distorções.
Enquanto a modulação PWM para um classe D trabalha com frequências de modulação fixas entre 100 a 200KHz, um classe T trabalha com até mais de 1,5MHz isso facilitando na utilização de componentes mais baratos para re-transformação do sinal modulado de volta para som original.
Possui eficiência parecida com o classe D, em torno de 80% , as vezes até mais que 90%. Além de não causar distorções acima de 1kHz como ocorre nos classe D.
O circuito de um classe T pode ser resumido em blocos.

© 2014 LMB Audio & Vídeo - Todos os direitos reservados

Tels.: (24) 2245-4878 (24) 2248-7482 Cel.: (24)99825-7465

e-mail:  O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.